Confederação dos Municípios recomenda prefeituras ignorar último reajuste do Piso Nacional dos Professores

A Confederação Nacional de Municípios, a CNM, questiona a legalidade do reajuste do piso nacional dos professores e orienta prefeituras a ignorar portaria do Ministério da Educação publicada nesta terça-feira. 

A norma reajustou o piso do magistério em quase 15% em 2023. O Ministério da Educação argumenta que o reajuste anual é uma obrigação legal. Assim como em 2022, a confederação dos municípios discorda do critério usado para o reajuste, como explicou o presidente da entidade, Paulo Ziulkoski.

Segundo Ziulkoski, o reajuste tem impacto de mais de R$ 19 bilhões nos cofres municipais. Para a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, que representa os professores, os municípios podem buscar a compensação desse reajuste junto à União, como explicou o presidente da Confederação, Heleno Araújo.

Arquivo/divulgação

Segundo fonte do Ministério da Educação, a lei do piso nacional dos professores obriga o poder público a reajustar o salário do magistério sempre nos meses de janeiro.

Como a forma do reajuste foi revogada pela aprovação do novo Fundeb, o Fundo de Financiamento da Educação Básica, a consultoria jurídica do MEC recomenda que seja mantida a forma de cálculo anterior até que nova legislação seja aprovada pelo Congresso Nacional.

Por isso, o reajuste dos professores foi realizado com base na atualização do custo anual do aluno da rede pública urbana dos anos iniciais do ensino fundamental.

Agencia Brasil

previous arrow
next arrow
Slider
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pin It on Pinterest