‘”Essa denúncia não se sustenta!”, diz Presidente da Câmara de Mafra

 

 

Diante da representação apresentada pelo SINDISERV, o presidente da Câmara de Mafra, vereador Serginho Severino disse que ela não se sustenta, durante sua fala logo após a leitura do documento em plenário na sessão de segunda-feira, 22/04/24.

Serginho alegou que nunca ofendeu nenhum servidor público. “A representação é ridícula nesse sentido, nunca ofendi nenhum servidor. Eventualmente eu questionei os que estavam aqui, o que começaram a causar baderna”, declarou, observando que está tudo gravado. Depois elogiou os servidores, e nesta fala evitou de chamá-los de “arruaceiros”, como havia dito na sessão anterior.

Serginho atribuiu à denúncia à campanha eleitoral, dizendo que “esse vereador deve estar incomodando alguém”.

Quanto a denúncia em si, esta não se sustenta, é um emaranhado de informações distorcidas, inicialmente falando em nome do Sindicato, depois em nome do próprio advogado”, comentou, chamando o representante jurídico do SINDSERV  de “causídico”, e afirmando que nenhuma das suas solicitações estavam fora do prazo para serem atendidas, e que ele não teria prioridade

Confirmou que entrou com ação judicial contra o Sindicato, e disse que se estão querendo o intimidar com essa representação, “erraram feio“, e que não vai retirar a ação por causa disso. “Aqui não é filho de pai assustado não, não vou correr de ninguém”.

Quem tem telhado de vidro, não atira pedras“, alertou Serginho, no final da fala sobre a denúncia.

O Presidente da câmara, no entanto, evitou falar ou contestar a denúncia feita sobre a publicação de um decreto legislativo, sem autorização ou aprovação do plenário. Na messa sessão foi apresentado ao plenário um decreto legislativo nos mesmos termos.

O decreto trata da suspensão do uso da Palavra Livre por qualquer cidadão, na Câmara Municipal, durante a véspera do período eleitoral de outubro próximo. E consta que ainda depende de parecer  jurídico e aprovação dos vereadores. Esse seria o trâmite correto.

Durante a leitura da Representação pela secretária da Mesa Diretora, Serginho, como Presidente, ordenou que fosse feito a leitura da minuta de contrato  entre o SIDSERV e a Assessoria Jurídica, a qual estava assinada por Jonas Schultz, na época presidente do Sindicato, como servidor público.

O público em geral não entendeu qual a mensagem que o Presidente tentou passar com isso, pois o referido contrato não faz parte do contexto, em relação à Representação.

Próxima fase

Na Representação, o assessor jurídico sugeriu que o Presidente da Câmara fosse afastado pela Comissão de Ética, durante a fase de tramitação do processo, com pedido de cassação de mandato.

O presidente atual da Comissão, vereador Jonas Heide, ainda não se manifestou oficialmente. Mas, em fala diante do assunto, disse que a Câmara precisa fazer uma reflexão sobre seus ações, porque a população vem cobrando uma mudança de postura de todos os vereadores.

Antes de decidir os próximos passos, a Comissão vai se reunir e analisar a denúncia feita pelo Sindicato.

 

previous arrow
next arrow
Slider

 

 

 

 

 

.

 

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pin It on Pinterest